Poder, exílio ou mausoléu.

Reportagem exibida no Reporter Brasil, sobre o que chamei de A Difícil Hora de Dizer Adeus, no post anterior.

Clique aqui para assistir.

Amanhã, sexta-feira, encerro minha cobertura (ao menos por enquanto) dos eventos no Egito.
Embarco para o Senegal, onde vou acompanhar o Fórum Social Mundial.

Por causa da viagem, meu passaporte ficou a semana passada e parte desta na embaixada do Senegal em Pretória, África do Sul, para receber o visto. Não fosse isso, teria embarcado para o Cairo, provavelmente.

E seria eu – e não os meus colegas Corban Costa e Gilvan Alves Rocha- quem teria passado pela exasperante situação que eles passaram, sendo tratados como criminosos por tentar ingressar no Egito para apenas fazer reportagens e contar a verdade.

Criminosa é a ditadura – a de Mubarak e qualquer outra.

Corban e Gilvan já estão bem, a caminho do Brasil, onde há liberdade de expressão – ao contrário do que querem crer alguns coleguinhas que precisam conhecer melhor o mundo.

Tenho lido muita bobagem na imprensa brasileira. De certa forma, prova de que se publica o que se bem quer. Muitas vezes, que mal se entende.

Um abraço ao Corban e ao Gil, parceiros de outras tantas.