Quisse Mavota na Agência Brasil

A ida a Escola Secundária Quisse Mavota rendeu uma matéria para a Agência Brasil, publicada nesta sábado (5).

Já a entrevista com o curandeiro Fernando Mathe rendeu calafrios na Bélia. Ela não foi porque estava com malária. Mas ficou com as tranças arrepiadas ficou sabendo da visita.

Também fiz uma reportagem para a TV Brasil, que irá ao ar oportunamente. Saiu lá, eu ponha aqui também.

Tem mais de Quisse Mavota no blog da Sandra (aqui e aqui). Abaixo, a matéria da Agência.

E você não sabe quem é a Bélia? Veja aqui, ou role a página um pouco para baixo.

05/06/2010
Caso registrado em escola de Maputo mostra conflito entre conhecimento científico e tradicional

Eduardo Castro
Correspondente da EBC para a África

Maputo (Moçambique) – Desde maio, 71 alunas da Escola Quisse Mavota, em Maputo, capital moçambicana, perderam os sentidos durante as aulas. Em um único dia, foram 25 casos. As primeiras hipóteses levantadas pela direção do colégio foram anemia ou desnutrição. O Ministério da Saúde foi chamado para estudar os casos e anunciou que o motivo era psicológico.

“São causas emocionais”, afirmou, em entrevista coletiva, a diretora da Seção de Saúde Mental do Ministério da Saúde, a psiquiatra Lídia Gouveia. “O quadro de medo e de ansiedade é muito marcante. O que elas têm, realmente, são manifestações de pânico” disse, lembrando que as provas de meio de ano estão chegando. Segundo o médico, em vários casos não há sequer o desmaio propriamente, mas apenas uma perda momentânea de sentidos.

O nome da escola é uma homenagem a um dos últimos chefes tribais de Moçambique, Quisse Mavota, que liderou sua comunidade na região onde está hoje o bairro do Zimpeto, na periferia de Maputo. A escola pública secundária foi construída no terreno em que ele vivia e batizada com o seu nome.

Muitos moradores do bairro do Zimpeto acham que o motivo dos problemas registrados com os estudantes é outro: “Vovô Quisse” estaria reclamando de alguma coisa, por intermédio das meninas, tomadas pelo espírito. Isso já teria ocorrido em 2006, por ocasião da construção dos prédios da escola.

“São os espíritos malignos, querendo uma cerimônia ou algo tradicional”, diz a aluna Berta Nvate. “A escola foi construída onde era um cemitério”, afirma. “Isso aí é briga pela terra” acredita um vizinho da escola que não quer se identificar. “Mas o espírito pode estar zangado também”, completa, sem deixar de lado qualquer possibilidade.

O diretor da escola, Artur Dombo, entregou o caso aos líderes comunitários. “É a comunidade que está trabalhando nisso, porque a escola é da comunidade”. Foram chamados representantes das famílias Mavota e Magaia, que dividiam o terreno. A decisão foi fazer um “mhamba” – ritual – realizado a portas fechadas no último sábado (29).

O Poder Público local comprou cabritos e bois para a celebração. Depois, houve uma festa com a vizinhança. Um curandeiro foi chamado para mediar os trabalhos, fato muito comum em Moçambique. São mais de 30 mil “médicos tradicionais” no país – também chamados de “curandeiros” ou “feiticeiros”. Nas áreas mais afastadas, são a primeira resposta – quando não a única – para os problemas de saúde da população.

“Nós não curamos tudo, mas algumas coisas – principalmente as ligadas ao espírito – só nós podemos tratar”, afirma Fernando Mathe, porta-voz da Ametramo, a Associação dos Médicos Tradicionais de Moçambique. “Quando o problema não é da nossa área, encaminhamos o doente para o centro médico ou hospital. Somos limitados àquilo que sabemos fazer.”

Mathe usa a mesma lógica para analisar o diagnóstico dos psiquiatras do Ministério da Saúde. “Eles [o Ministério da Saúde] fizeram o que estava ao seu alcance. Não podem dizer ‘isso aqui é espírito’ porque não entendem de espírito”. Mas Mathe alerta que, no caso de Quisse Mavota, o curandeiro que conduziu a cerimônia do sábado não é dos quadros da associação. “Só mais adiante vamos ver se foi bem feito. Espero que sim”.

Para Carlos Serra, diretor do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane, é um caso típico de “conflito de saberes”, entre o conhecimento científico e o tradicional (que ele chama de “simbólico-analógico”). “Conflito é sempre bom, porque impulsiona”, diz. “Mas a forma como isso foi feito parece conduzir a uma espécie de legitimação de um dos saberes [o dito tradicional] em prejuízo aparente do saber científico. E isso não me parece correto.”

Serra organizou um seminário para tratar do assunto, que lotou o auditório do Centro de Estudos Africanos com uma centena de alunos e professores de diversos cursos. A psiquiatra Lídia Gouveia reiterou que a questão emocional permeou todo o caso e informou que as meninas estão sendo avaliadas individual e coletivamente para um estudo aprofundado, que será divulgado em breve.

Os representantes da Ametramo – entre eles, o porta voz Fernando Mathe – defenderam a ação dos médicos tradicionais e reclamaram de não terem sido “oficialmente” chamados para acompanhar o caso de Quisse Mavota de perto.

Também esteve presente o diretor da escola, Artur Dombo, que informou à platéia que “por um motivo ou outro, desde a cerimônia há um sossego na escola. Desde sábado, não há quedas ou desmaios na Quisse Mavota”.

Anúncios

2 comentários em “Quisse Mavota na Agência Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s