Imaginar é uma coisa. Sentir é outra

Fui inúmeras vezes a Soweto neste mês que estou aqui em Joanesburgo. Sempre bem recebido – mesmo quando não estava vestindo o uniforme da TV Brasil. Já tinha comido lá algumas vezes, mas só nas “áreas turísticas”, pontos próximos aos monumentos ou museus, como no restaurante da família de Nelson Madela ou o famosíssimo Wendy’s.

Hoje foi diferente.

Fomos acompanhar uma carreata montada para “elevar o espírito de Copa” (aliás, éramos a única TV brasileira no troço – coisa a que já me acostumei na minha cobertura). Ônibus que lembravam trios elétricos levavam artistas, tocavam música e distribuíam bandeiras da África do Sul.

Lá no meio de Soweto, deu fome. Longe dos monumentos e postos históricos, entramos no Jabulani Mall. Jabulani quer dizer felicidade, além de ser o nome da bola da Copa. As lojas e restaurantes eram rigorosamente os mesmos que cansei de ver aqui em Randburg, Sandton ou no centro de Joanesburgo: KFC, Mc Donald´s e quetais.

A diferença era o público.

Soweto surgiu na década de 60, literalmente como depósito de negros. Nem nome tinha o lugar. Soweto é uma sigla: SOuth WEst TOwnships, que quer dizer, como já expliquei noutro post (veja de novo aqui), Área Segregada do Sudoeste. Foi criada depois que os brancos resolveram que os negros estava morando em lugares que eles queriam ocupar no centro da cidade.

Virou a maior área de Joanesburgo. Uma favelão com 3, 4 5, 6 milhões de habitantes (depende da fonte). Hoje tem áreas com casas ótimas e locais turísticos. E vários pontos que ainda são favela. Nos trechos mais pobres, há só negros.

Esse shopping Jabulani serve a todo Soweto, mas fica perto das áreas mais simples. Plano, grande, lembra o Center Norte, de São Paulo. Mas o público dele é inteiramente negro. Eu e cinegrafista Ulov éramos os únicos brancos no restaurante, no shopping inteiro. E na vizinhança toda.

As pessoas demonstravam até certa surpresa, mas me senti extremamente bem recebido. Muitos se aproximaram pra conversar. No restaurante pediram pra tirar foto conosco. Nos corredores, vinham brincar por causa da desclassificação do Brasil.

Agora pense num negro em qualquer shopping da Barra da Tijuca ou dos Jardins. Precisa dizer o que iria acontecer? Será – oh, que dúúúvida, meudeusdocéu! – que ele seria recepcionado como eu fui num lugar “só deles”?

Pergunto isso por que – claro – “não há preconceito no Brasil”, como a gente está cansado de saber pelos jornais.

Se você ficou na dúvida (ohhhh, que dúúúúúvida!), leia aqui o que aconteceu com a atriz moçambicana Lucrécia Paco num shopping de São Paulo um tempo atrás.

Anúncios

2 comentários em “Imaginar é uma coisa. Sentir é outra

  1. Meu jornalista preferido tá virando celebridade hein? Muito legal esta demonstração que vocês tiveram. Show de bola para o pessoal do shopping Jabulani! Marcaram um gol!!! Ah aqui no Brasil, Lucrécia Paco que o diga (lembrei antes de ler sua chamada no final da matéria). Abs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s