Burocracia, é?

Na quarta-feira mandei uma mensagem SMS para o porta-voz do Ministério da Saúde aqui de Moçambique. Queria que ele me indicasse alguém para falar sobre o orçamento da pasta referente a AIDS (aqui – e em todos os demais países que falam português e nos que falam espanhol – chamado de SIDA).

Ele respondeu prontamente: “estou em Uganda. Procure o dr. Abdul.”

Passei dois dias atrás do doutor Abdul. Nem eu nem a Bélia, minha produtora (falando xangana e tudo), conseguimos ir além da secretária.

Aliás, a secretária pediu: “mande uma carta pedindo para falar com ele”.

Carta é carta mesmo. E-mail não serve.

Escrevi a carta, mandei por fax. Nenhuma resposta. “Bélia, liga lá, por favor.” Ela ligou umas 50 vezes. A secretária atendeu todas. E em todas disse que não tinha resposta.

Três da tarde cheguei lá no Ministério. Fui pra sala do doutor Abdul. Doutor Abdul estava em reunião. Não há problema – eu espero”. O queixo da secretária quase caiu.

Terminou o expediente, doutor Abdul voltou. Leu a carta em cima da mesa e me chamou dentro da sala. Só pra me dizer que só falaria comigo se eu mandasse uma carta – outra – pedindo autorização do ministro da saúde para ele falar comigo. “Eu pedir pro ministro?” “É. Depois eu respondo se posso ou não falar com o senhor”.

E falou isso numa boa, ressalte-se. Não senti nele preguiça ou má vontade. É que simplesmente “é assim”. Isso porque eu quero saber de dados que já foram divulgados. Só uma sonora, pra ilustrar a matéria.

O sangue subiu. Acalmei, sai da sala, voltei pra portaria. “Quero falar com o ministro”, disse eu. “Ele viajou”. “Então o vice ministro”. “Já foi”. “E o secretário-permanente? “Está saindo agora…”

Deixei a moça falando sozinha e corri no estacionamento. Parei o secretário no semáforo. Ele abriu a janela espantado. Entreguei meu cartão a ele e expliquei quem eu era, que não conseguia nada porque o porta-voz viajara e que eu estava “me habituando ao país e seus hábitos”.

“Você quer dizer habituando-se à burocracia moçambicana, não é?”

É, secretário. É isso mesmo.

A abordagem me rendeu um café com a vice ministra na segunda cedo. Será que vai rolar entrevista? Por via das dúvidas, vou levar uma carta-pedido-súplica impresso em folha timbrada, duas vias.

E você aí, em Brasília: da próxima vez que o retorno do ministério demorar meia hora e você começar a arrancar os cabelos, liga aqui pra Bélia. Ela te ensina a ter paciência.

Anúncios

5 comentários em “Burocracia, é?

  1. Nós, brasileiros, deveríamos fazer exatamente isso que você, Eduardo, fez em Moçambique, para exigir de nossos governantes (nossos empregados) que nos dêem explicações sobre o que fazem lá no poder. Muito obrigado por nos mostrar como se faz!
    Aproveitando, visite o blog coletivo de que faço parte, o http://setedobem.wordpress.com.
    Abraço!

    Curtir

  2. E a gente pensando que não tivesse nada pior em burocracia que o nosso brasilzão hein? Adorei: “Por via das dúvidas, vou levar uma carta-pedido-súplica impresso em folha timbrada, duas vias.”

    Curtir

  3. E a gente pensando que não tinha nada pior que o nosso brasilzão hein? “…carta-pedido-súplica impresso em folha timbrada, duas vias” foi o máximo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s