Bri xile pra você também

Nota que dei na Rádio Nacional:

“As línguas africanas de origem banto serão tema de um seminário a ser realizado em Salvador entre os dias 1o e 3 de setembro. O encontro na Universidade Estadual da Bahia vai discutir formas de preservar os idiomas e estudar como eles influenciaram o português. São mais de 600, e estão distribuídos em todo centro-sul da África.”

Mais de 600 línguas… línguas mesmo, idiomas com vocabulário, gramática e fonética. Em toda África, é comum as pessoas serem mais que bilíngües: normalmente falam o seu idioma materno, a chamada língua de integração (aqui é o português) e a língua do local em que atualmente vivem, ou de alguma comunidade próxima.

É, bonitão. Você, que se sente genial porque tem diploma da Cultura Inglesa, saiba que minha colaboradora para assuntos domésticos daqui fala mais línguas que você. Gertrudes fala xangana, ronga e português.

Aliás, macua, xangana e ronga – línguas daqui de Moçambique – junto com yorubá, kimbundo, kikongo… são algumas das línguas que fizeram com que da sua boca saísse a melodia que sai. Seus termos e ritmos marcaram profundamente o português aqui da África e também o do Brasil.

Suahíli é a língua mais falada na África, por 50 milhões de pessoas. Ela é do centro do continente. Che Guevara aprendeu um pouco de suahíli, quando passou pelo Quênia, Congo, Ruanda, Tanzânia. O nome suahíli dele era Tatu (que quer dizer número 3).

Aqui em Moçambique, são 23 línguas maternas. Xangana e ronga são as mais faladas em Maputo. São bem parecidas, usam até as mesmas expressões.

Então, por ora, macuerro (meu irmão), bri xile (bom dia) pra você.

Anúncios

Um comentário em “Bri xile pra você também

  1. Olha que interessante esse Seminário! Fiz um trabalho de faculdade “a influência africana na Língua Portuguesa” onde a pesquisa contemplou também as línguas de origem banto… Uma riqueza de variedades de línguas e dialetos locais! Na apresentação do trabalho minha equipe resolveu teatralizar: foi um show! Tinha jogadores de capoeira (mostrando a influência musical), mix de múscias para explicar os metaplasmos (dotô, jogava o flamengo eu queria escutar….) e o fechamento ao som de Kizomba – a festa da raça que foi tema da Vila Izabel, campeã do carnaval carioca no ano do centenário da abolição da escravatura! (Valeu, Zumbi. O grito forte dos Palmares. Que correu terra, céus e mares. Influenciando a abolição…)
    Que saudades! Bri xile pra você também rsss

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s