Greve no vizinho

Materinha na Agência Brasil.

30/08/2010
Funcionários públicos da África do Sul entram na terceira semana de greve

Eduardo Castro
Correspondente da EBC na África

Maputo (Moçambique) – A greve dos funcionários públicos da África do Sul entra hoje ((30) na sua terceira semana. Governo e sindicatos voltaram a negociar, mas ainda não há sinal claro de que um acordo esteja próximo.

Até a semana passada, a oferta de 7% de reajuste e auxílio-moradia de R700 (rand, a moeda nacional, cerca de R$ 168) foi apresentada como final. Os sindicatos querem 8,6% e benefício de R1000 (R$ 240).

A pressão política aumentou nos últimos dias, quando líderes sindicais ameaçaram retirar o apoio ao Congresso Nacional Africano (CNA), partido do presidente Jacob Zuma. Outras categorias privadas, como a dos trabalhadores do setor de borracha e pneus, anunciaram que entram na greve a partir de hoje.

O presidente reuniu-se com ministros no fim de semana e determinou a volta à mesa de negociação. Segundo a porta-voz Zizi Kodwa, Zuma está preocupado com o futuro da greve porque “quem mais sofre é o cidadão comum”, disse.

Algumas manifestações de grevistas foram dispersadas pela polícia com bombas de gás e jatos de água, deixando feridos. O trânsito também foi muito afetado em Joanesburgo nos dias de passeatas. A morte de seis pessoas foi atribuída pelas autoridades à falta de atendimento adequado nos hospitais, e várias escolas adiaram a realização dos exames semestrais.

A paralisação atinge cerca de 1 milhão de servidores públicos, incluindo professores, enfermeiros e funcionários das alfândegas. A maior central sindical do país, a Cosatu, já anunciou que se não houver acordo nesta semana, vai paralisar outras áreas. O foco será o setor produtivo, incluindo o minerador e a área financeira, como operadores da bolsas de valores, o que traria grande impacto na economia.

Caso seja necessário, a Cosatu diz que consegue parar 2 milhões de pessoas na próxima quinta-feira (2). Sindicatos das forças militares consideraram juntar-se à greve, mas decidiram continuar no trabalho.

Anúncios

Um comentário em “Greve no vizinho

  1. Você já viu esse filme passar muito por aqui, não é mesmo? Realmente quem mais sofre com as greves são os cidadãos comuns, principalmente quando afetam áreas vitais como transporte, saúde, educação e o setor produtivo! Abs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s