E voltamos a Quisse Mavota

Estive hoje, de novo, na escola. Minha primeira visita ao Zimpeto – onde ela fica – foi no final de maio. Clicando aqui e aqui você lembra como foi.

Fato é que a coisa é o que é. E não é o que não é. Só que o que é pra mim, pode não ser pra você.

É ou não é?

Texto publicado na Agência Brasil.

12/10/2010
Para curandeiros, desmaio de alunas é feitiçaria; para governo de Moçambique, histeria coletiva

Eduardo Castro
Correspondente da EBC para a África

Maputo (Moçambique) – O Ministério da Saúde de Moçambique concluiu o relatório a respeito da série de desmaios de alunas de uma escola secundária no bairro do Zimpeto, na capital do país, Maputo. “A conclusão dos pesquisadores da saúde é que se tratou de um caso de histeria coletiva, como tantos que já houve em outras partes, e até mesmo aqui em Moçambique”, afirmou o ministro Ivo Garrido, em um de seus últimos atos à frente da pasta, antes de ser substituído junto com outros membros do primeiro escalão do governo.

Entre maio e junho deste ano, 71 alunas da Escola Quisse Mavota perderam os sentidos durante as aulas. Em um único dia, foram 25 casos. As primeiras hipóteses levantadas pela direção do colégio foram anemia ou desnutrição. Mas, desde o início, o Ministério da Saúde sustentava ser algo psicológico. A diretora da Seção de Saúde Mental, a psiquiatra Lídia Gouveia chamou, na época, de “causas emocionais”. “O quadro de medo e de ansiedade é muito marcante. O que elas têm, realmente, são manifestações de pânico”. Segundo a médica, em vários casos não houve sequer desmaio, mas apenas a perda momentânea dos sentidos.

Mas os moradores do bairro do Zimpeto têm outra explicação para o caso, mesmo depois da conclusão do Ministério da Saúde. “Penso que não é histeria nem emoção”, disse Otília Luis, mãe de uma aluna da Quisse Mavota. “Estou aqui neste bairro desde 1975 e antes tinha um cemitério onde hoje é a escola”, indicando que o problema poderia ter origem metafísica.

“Histeria coletiva, acho que não é”, disse Pedro Joaquim, aluno da escola. “Na minha opinião é algo ligado ao tradicional.”

“É difícil saber de onde vem essas coisas, mas, para mim, alguém que foi enterrado aqui quer se comunicar com o nosso mundo”, disse Maria Timane, que mora perto da escola. “A escola sempre vai ter problemas, porque é algo sobrenatural”, explicou em idioma xangana.

Na época dos desmaios, a comunidade exigiu que as autoridades fizessem uma cerimônia para “acalmar os espíritos do lugar”. A cerimônia, conhecida como mhamba ocorreu no dia 29 de maio. O Poder Público local comprou cabritos e bois para a celebração. Depois, houve uma festa com a vizinhança. Um curandeiro foi chamado para mediar os trabalhos, fato muito comum em Moçambique. O país tem mais de 30 mil médicos tradicionais no país – também chamados de curandeiros ou feiticeiros. Nas áreas mais afastadas, os curandeiros são a primeira resposta – quando não a única – para os problemas de saúde da população.

A força dos médicos tradicionais é tão grande na sociedade moçambicana que, no ano passado, o próprio Ministério da Saúde criou o Instituto de Medicina Tradicional para catalogar os curandeiros e os remédios usados por eles. Mesmo assim, para o porta-voz da Associação dos Médicos Tradicionais de Moçambique (Ametramo), Fernando Mathe, o relatório do Ministério da Saúde é válido, mas incompleto. “Reconhecemos o trabalho deles, mas eles não reconhecem o nosso”, afirmou. “Nós mandamos doentes para o hospital. Falta eles mandarem doentes deles para nós”.

Mathe concedeu a entrevista à Agência Brasil justamente no jardim do Hospital Central de Maputo, enquanto aguardava a mulher, que faz tratamento de um tumor. “Curandeiro trata as doenças do espírito”, disse ele. “O que é de hospital é de hospital”. Para o curandeiro, era preciso levar em conta que, depois do mhamba, os desmaios pararam na Quisse Mavota, fato confirmado pela comunidade.

O ministro Ivo Garrido foi substituído nesta terça-feira (12), juntos com os titulares de outras três pastas. No lugar de Garrido entrou Alexandre Manguele. No Ministério da Indústria e Comércio, Antônio Fernando saiu para a chegada de Armando Inronga, presidente da Associação Moçambicana de Economistas. Na Agricultura, Soares Nhaca deixou o cargo para José Pacheco, vindo da pasta do Interior. Para o lugar dele, foi empossado o então reitor da Academia de Ciências Policiais, Alberto Mondlane. Foi a primeira mudança ministerial em Moçambique depois dos protestos do início de setembro, contra o aumento do custo de vida, que deixaram 13 mortos.

Anúncios

5 comentários em “E voltamos a Quisse Mavota

  1. Mesmo que a conclusão do relatorio tenha apontado para um caso de histeria coletiva, sempre ficará a dúvida porque os desmaios só cessaram depois da cerimônia para “acalmar os espíritos do lugar”… Coincidência? Vai se saber! “No creo en las brujas pero existen, existen!”. Esse ditado é só para dizer que respeito o que não posso explicar e acredito que há mais coisas entre o céu e a terra do que podemos imaginar!!!

    E as mudanças do primeiro escalão hein? Parecendo a dança das cadeiras que acontece por aqui após eleições/posse de presidente rsss.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s