Na Record Moçambique/ TV Miramar

Menos um desempregado no mundo: comecei hoje a colaborar com a Record Moçambique, que aqui assina como TV Miramar.

Numa só tacada, mato duas grandes vontades profissionais: ver de perto como é a TV aqui em Moçambique – e como se dá essa relação entre lusófonos e Brasil; e também trabalhar para a mais antiga emissora brasileira em atividade.

Fato que não vou, a princípio, fazer nada para a Record do Brasil. É uma consultoria no jornalismo local. Desafio interessante, porque muitos jornalistas que fazem TV hoje, em Moçambique, nasceram num tempo em que não havia TV no país. Ou, se tanto, havia uma única emissora – a TV do estado, numa época de partido único ou de guerra civil.

A ideia não é impôr o “estilo brasileiro” de fazer TV ou jornalismo. Mas sim colocar à disposição dos colegas daqui uma fórmula testada, que tem falhas detectadas (no formato menos; no conteúdo muito mais), mas que é bem diferente das referências portuguesas ou de jornal impresso que também acabaram marcando o mercado local. Vamos ver.

Record é uma marca histórica. Tantos foram os colegas mais velhos que muito me influenciaram na Bandeirantes e na Trianon que tinham passado por ela e pela Jovem Pan (que eram do mesmo grupo). Tantos outros colegas, mais novos, que começaram comigo na Bandeirantes ou Trianon que hoje estão na Record. Sem contar que Bandeirantes e Record, um dia, foram uma coisa só.

A TV Record nasceu em 27 de setembro de 1953. A primeira imagem a aparecer foi a de uma escada; por ela desceu a maior estrela da Rádio Record na época, Blota Junior, que apresentou a nova emissora: “Boa noite. Está no ar a TV Record, canal 7 de São Paulo.”

Anos depois, na sala da casa dele, junto com minha futura esposa Sandra e futura madrinha de casamento (a neta dele, Sonia, hoje repórter da BAND), ouvi Blota dizer que gostava do nome com o qual eu tinha assinado minha primeira reportagem, naquela mesma semana (uma greve de professores em São Paulo): “Curto, forte e sonoro”.

“Talvez pudesse usar algo mais jovem, como ‘Edu Castro Macedo”, disse ele. “Mas, não”. Sentenciou: “Eduardo Castro vai dar certo.”

Fora o saudoso Gerson de Abreu, falecido, do “X Tudo”, da TV Cultura, que me chamava de “Duda Castrão” na Rádio Trianon (e meu padrinho André Porto Alegre lembra e adora até hoje) – nunca mais ninguém me chamou no ar por outro nome.

Sábio Blota. Já pensou se tivesse vingado o “Edu”? Depois de ouvir, na TV Brasil, que tinha me “aboletado numa boquinha”, agora ia ter jênio (com “j” mesmo, pra enfatizar a genialidade) dizendo que só arrumei o novo emprego porque “sou” da família.

7 comentários em “Na Record Moçambique/ TV Miramar

  1. A tv miramar, com a energia que a record internacional lhe transmite lhe torna a tv preferida dos Moçambicanos e também a torna a tv de primeira

    Curtir

  2. Muito bom para você. É assim eu também estou a procura de job mas hee, estou a fazer contabilidade e sou um fotográfo, e video camera amador, se pudessem me encaixar ai, seria grande coisa para minha vida, tenho 21 anos

    Curtir

  3. Que boa notícia: primeiro porque imagino que você já estava impaciente com a demora para pegar no batente e segundo porque é muito bom saber que seu talento e profissionalismo estarão dando bons frutos por aí também. Parabéns e muito $UCE$$O! Abração

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s